Dia Mundial da Saúde Sexual: relacionamento em tempos de pandemia.

Atualizado: Set 11



Você sabia que a sexualidade é vista pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como um dos quatro pilares de qualidade de vida? A definição de Saúde Sexual contempla o estado de bem-estar físico, emocional, mental e social associado à sexualidade. Não é meramente a ausência de doença, disfunção ou enfermidade!

A saúde sexual requer uma abordagem positiva e respeitosa para com a sexualidade e relacionamentos sexuais, bem como a possibilidade de ter experiências sexuais prazerosas e seguras, livres de coerção, discriminação ou violência. Para garantir a vivência de uma sexualidade mais livre e segura, a Associação Mundial para a Saúde Sexual (WAS, em inglês) definiu 16 Direitos Sexuais, sendo eles:

1) O direito à igualdade e a não discriminação.

2) O direito à vida, liberdade, e segurança pessoal.

3) O direito à autonomia e integridade corporal.

4) O direito de estar isento de tortura, tratamento ou punição cruel, desumana ou degradante.

5) O direito de estar isento/a de todas as formas de violência ou coerção.

6) O direito à privacidade.

7) O direito ao mais alto padrão de saúde atingível, inclusive de saúde sexual; com a possibilidade de experiências sexuais prazerosas, satisfatórias e seguras.

8) O direito de usufruir dos benefícios do progresso científico e suas aplicações.

9) O direito à informação.

10) O direito à educação e o direito à educação sexual esclarecedora.

11) O direito de constituir, formalizar e dissolver casamento ou outros relacionamentos similares baseados em igualdade, com consentimento livre e absoluto.

12) O direito a decidir sobre ter filho/as, o número de filho/as e o espaço de tempo entre ele/as, além de ter informações e meios para tal.

13) O direito à liberdade de pensamento, opinião e expressão.

14) O direito à liberdade de associação e reunião pacífica.

15) O direito de participação na vida pública e política.

16) O direito de acesso à justiça, reparação e indenização.

“Sempre notei que o a sexualidade era negligenciada, inclusive por nós psicoterapeutas. Infelizmente a nossa formação também escancara o quanto a sociedade olha esse tema com alguns preconceitos. Este foi um dos motivos pelos quais procurei uma especialização na área”, conta Kendra Ferri, Psicóloga Especialista em Clínica Analítico Comportamental e atualmente fazendo especialização em Sexologia Aplicada, no Instituto Paulista de Sexualidade.

O QUE FAZER EM TEMPOS DE DISTANCIAMENTO SOCIAL

A pandemia de Covid-19 impactou diversas esferas da vida cotidiana e as relações sexuais foram uma das mais afetadas. Especialistas de diferentes áreas apontam que é natural haver a diminuição da libido com a queda de autoestima, irritação, ansiedade e desgaste pela convivência constante (especialmente entre casais). Já, por outro lado, houve significativo aumento nos hábitos de masturbação e consumo de pornografia de forma geral e, mais sensivelmente, entre os solteiros.

O fato é que vivemos um momento considerado excepcional na história da humanidade, com surgimento de novos protocolos não apenas de segurança, mas também sociais. O grande desafio daqui para frente será encontrar equilíbrio entre eles e as necessidades de relacionamento sexual e afetivo. Para isso, o diálogo entre os parceiros será mostrará ainda mais determinante.

“Acredito que o acesso à informação nos libertará! Busque se conhecer, se tocar, saiba dos seus direitos e acima de tudo se proteja! Viver a sexualidade é bom, mas viver a sexualidade de foma segura é melhor ainda!”, finaliza a psicoterapeuta.

SEXO SEGURO, SEMPRE!

Um ponto importante de salientar é a mudança do termo DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis), para IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis). A mudança da terminologia se deu para corrigir um desconhecimento ou até mesmo “negligência” da população, visto que o termo “doença” está ligado a algum sintoma, porém diversas infecções podem ter períodos assintomáticos e permanecer assim por longos períodos da vida, sendo detectados precocemente apenas por exames laboratoriais - ou somente quando aparecem complicações, como a infertilidade (no caso das infecções por Clamídia) ou da AIDS no caso do HIV.

Quando falamos em saúde sexual, uma regra não muda: é de vital importância seguir as orientações sobre a prática do sexo seguro, através do uso de preservativos. É fundamental também consultar regularmente seu médico para avaliar suas condições de saúde. “O laboratório pode contribuir através de exames de detecção de ISTs como o HIV, Sífilis, Clamídia, Gonorreia e Hepatite C. Mas a saúde sexual começa com o indivíduo, sendo ele o responsável máximo pela própria segurança e, consequentemente, pela do parceiro (a) também.”, completa o infectologista e Diretor Médico do LabCK, doutor Ricardo Kosop.


Contribuíram para este artigo os seguintes profissionais:


Dr. Ricado Paul Kosop

Médico Infectologista

CRM/PR 28565 - RQE 19142



Kendra Ferri

Psicóloga

CRP 08/2232

Instagram: @meu_elefantebranco

REDES SOCIAIS

Icon-IG.png
Icon-FB.png
Icon-YT.png
LinkedIn.png

INSTITUCIONAL

CENTRAL DE

ATENDIMENTO

Tel: (41) 3679-8250

       (41) 99992-0252

HORÁRIO DE ATENDIMENTO

SEGUNDA

A SEXTA

6h às 18h

SÁBADO E

DOMINGO

7h às 18h

Laboratório de Análises Clínicas Caboracy Kosop

Rodovia do Caqui, 1150 - KM 01

Campina Grande do Sul – PR

Anexo ao Hospital Angelina Caron